19 de abr de 2010

Sobre cineclubes

Falar de cineclube é algo que, definitivamente, eu curto. Não sou freqüentadora assídua de nenhum, mas a idéia de democratização do acesso ao audiovisual soa muito bem aos meus ouvidos.

Quem não gosta de ir ao cinema no final de semana, não é? Mas o que nem todos sabem é que apenas 8% do território nacional possui salas de cinema. E, como bem sabemos, aonde há salas, o preço não é dos mais agradáveis: nas capitais brasileiras o ingresso para uma sessão de filme chega a custar R$25,00.

Dessa forma vejo o cineclube como uma grande, senão a melhor das alternativas criadas até hoje, para resolver parte desse problema. São centenas espalhados por todo o país e, além de preços mais acessíveis, os cineclubes apresentam filmes fora do circuito comercial, prestigiam o cinema nacional e quase sempre promovem debates e reflexões sobre o tema. Ou seja, não é apenas a exibição por si só.

Os cineclubes surgiram, assim, em resposta a necessidades que o cinema comercial não atendia, assumiram diferentes práticas conforme o desenvolvimento das sociedades em que se instalaram, o que se deu dentro de uma forma de organização institucional única.

Dentro de suas características, devem-se destacar três como sendo as principais: o cineclube não tem fins lucrativos, tem uma estrutura democrática (sendo, os responsáveis pela sua orientação, necessariamente eleitos) e tem um compromisso cultural ou ético. Não existe, exatamente, uma fôrma para quem quer participar ou montar um cineclube. A regra é ser democrático, tanto na escolha do filme, quanto na participação – que geralmente é gratuita. Quando é cobrada uma taxa, ela é simbólica, apenas para cobrir os custos.

Se por um lado é bom para quem assiste, os cineclubes proporcionam uma oportunidade de divulgação também para quem produz os filmes.
A união dos cineclubes aos pontos de cultura e centros culturais proporcionou uma visibilidade e um alcance ainda maior para o movimento. Além de facilitar o acesso a quem assiste, muito deles ainda proporcionam a oportunidade de produzir material próprio.

Há muitos programas de incentivo à essa prática, o que diminui ainda mais os custos, tornando cada vez mais fácil espalhar essa idéia por ai.

Se interessou? Entre em www.cineclubes.org.br, clique em programação dos cineclubes brasileiros, e descubra de qual deles você gosta mais, chame os amigos e bom filme! Vale lembrar que ainda há muitos cineclubes não-listados nesse portal. Se encontrar algum interessante, comente aqui.

18 de abr de 2010

Cursos da FGV na área de entretenimento

A FGV está abrindo dois cursos na área do entretenimento: Gestão do Entretenimento e Legislação do Entretenimento. Ambos terão início dia 08 de maio de 2010, na FGV de Botafogo, Rio de Janeiro.

Só resta a dúvida. Qual fazer?

GESTÃO DO ENTRETENIMENTO

O entretenimento moderno envolve diversas mídias, além de uma ampla gama de serviços voltados à venda dos produtos culturais. Utiliza-se, ainda, de uma sofisticada infraestrutura para o suprimento das necessidades geradas por eventos ou pelos próprios pontos-de-venda. O curso oferecido destina-se à atualização de profissionais voltados a gestão dos diversos segmentos do entretenimento. Divide-se em oito módulos: Introdução, Audiovisual, Editorial e Fonográfico, Eventos/Out of Home, Administração e Marketing, Digital, Infraestrutura e Suporte e Desenvolvimento de Projeto, abordando os principais setores da indústria do entretenimento com uma ampla discussão sobre casos concretos de sucesso de empresas ou profissionais de cada setor.


LEGISLAÇÃO DO ENTRETENIMENTO

Nos últimos anos, a propriedade intelectual adquiriu importância nunca antes vista. Com o advento da Internet, a produção cultural – que durante séculos se restringiu àqueles que dispunham dos escassos e complicados meios econômicos e técnicos – tornou-se possível a todos. Naturalmente, a popularização das mídias digitais e o surgimento de novos meios de negócio tiveram como conseqüência uma infinidade de indagações jurídicas.

Dessa forma, este curso tem por objetivo apresentar, de maneira sucinta e aprofundada, as mais importantes questões teóricas e práticas relacionadas aos aspectos jurídicos da produção cultural. Sendo assim, entre outras matérias, serão analisadas as leis de direitos autorais e as leis de incentivo fiscal (como a Lei Rouanet e a Lei do Audiovisual), os modelos de negócio tradicionais e os modelos de negócio possibilitados pelas novas tecnologias, bem como aspectos relevantes relacionados às empresas que produzem bens culturais.

Os professores do curso são profissionais que trabalham diretamente com as disciplinas ministradas e contam com larga experiência acadêmica e profissional. Por esse motivo, os alunos terão acesso não apenas aos conceitos jurídicos, mas também aos elementos práticos necessários ao desenvolvimento de projetos culturais em conformidade com as novas possibilidades tecnológicas.

16 de abr de 2010

Estreias teatrais da última semana

Essa semana estreiaram três peças, recomendadas pela crítica, e que pretendo assistir em breve: "As Pontes de Madison", "No Piano da Patroa" e "As Comchambranças de Quaderna"

As Conchambranças de Quaderna
Re-estreiou nesta quarta, 14/04, no Teatro dos Quatro.
Texto de Ariano Suassuna.



O espetáculo reúne dois textos ligados pelo narrador, Dom Pedro Diniz Quaderna, de Romance da Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai e volta, obra de Ariano Suassuna. No elenco, estão Leonardo Brício, Dani Barros, Kelzy Ecard, Débora Lamm, Ricardo Souzedo, Iano Salomão, Diogo Camargos, Zé Wendel, Junior Dantas e Viviane Câmara.

Teatro dos Quatro - Rua Marquês de São Vicente, 52 – Shopping da Gávea
Horário: Quinta a Sábado às 19h
De 15 de Abril a 05 de Junho
Preço: R$ 40,00


As Pontes de Madison
Estreiou sábado, 10/04, no Teatro dos Quatro.



Adaptação do best seller, eternizado no cinema por Meryl Streep e Clint Eastwood, "As pontes de Madison" mostra a paixão avassaladora entre uma professora de literatura, casada, e um fotógrafo.
Os dois se envolvem quando Robert Kincaid (Marcos Caruso) vai ao condado de Madison, nos Estados Unidos, registrar imagens das famosas pontes cobertas e conhece Francesca Johnson (Denise Del Vecchio).
O relacionamento breve do casal, que dura quatro dias, seguido do desencontro, preenchido por um intenso amor, é contado em flashbacks a partir da leitura dos diários de Francesca, encontrado por seus filhos depois de sua morte.

Teatro dos Quatro - Rua Marquês de São Vicente, 52 – Shopping da Gávea
Horário: Quinta a sábado às 21h30 e domingo, às 20h
Preço: Quinta, sexta e domingo – R$ 70 e sábado – R$ 80


No Piano da Patroa
Estreiou nesta quarta, 14/04, no Centro Cultural da Justiça Federal



O espetáculo revive a história do sambista José Barbosa da Silva, vulgo "Sinhô", no ano em que se completam oito décadas da morte do artista. Por meio de um sarau, a peça mostra como os bambas do samba viviam no início do século passado. No palco, são representados mestres como Pixinguinha, Araci Cortes, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Donga, entre outros.
Centrada na importância do piano no surgimento da MPB, a peça tem como cenário os encontros das casas de família, as lojas de pianos e partituras, as casas das “Tias Baianas” na praça e os cabarés. Numa época pré-rádio e sem televisores, e ainda com o costume das serestas, era ao redor deste instrumento, nas salas de visita, que muitas famílias passavam as suas horas de lazer.

Centro Cultural Justiça Federal Até 10 jun 2010
Horário: Quarta e quinta, 19h
Preço: R$ 25,00

13 de abr de 2010

Editais da Funarte

A Funarte abriu, desde o final da semana passada, as inscrições para seus editais culturais. Desde o tão esperado Prêmio Myriam Muniz de teatro, passando por ocupação das Salas Funarte, até apoio a microprojetos na Amazônia Legal.

Não deixe de conferir, podem ter muitas possibilidades para o seu projeto.
Maiores informações: http://www.funarte.gov.br/portal/editais-funarte.



Para quem não sabe, a Fundação Nacional de Artes – Funarte é o órgão responsável, no âmbito do Governo Federal, pelo desenvolvimento de políticas públicas de fomento às artes visuais, à música, ao teatro, à dança e ao circo, e está vinculada ao Ministério da Cultura.

Para cumprir essa missão, a Funarte concede bolsas e prêmios, mantém programas de circulação de artistas e bens culturais, promove oficinas, publica livros, recupera e disponibiliza acervos, provê consultoria técnica e apóia eventos culturais em todos os estados brasileiros. Além de manter espaços culturais no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, a Funarte disponibiliza parte de seu acervo a todos os usuários da internet, no Portal das Artes.

(Fonte: Funarte)

9 de abr de 2010

Livros recentes sobre cultura, mercado, e economia da cultura

Livros - "Economia da Cultura – Ideias e Vivências" e "O Poder da Cultura"

Economia da Cultura – Ideias e Vivências

Em novembro de 2009, no Seminário Nacional de Economia da Cultura e Extensão Universitária, aqui no Rio de Janeiro foi lançado o livro "Economia da Cultura- Ideias e vivências", orgorganizado por Ana Carla Fonseca Reis e Kátia de Marco, que reúne pesquisas, conceitos e relatos institucionais que aprofundam o assunto de maneira esclarecedora e descomplicada.

Em dezembro o livro foi lançado em São Paulo, no Observatório Itaú Cultural e agora, a partir de abril, será lançado no resto do Brasil, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, acompanhando o seminário Economia da Cultura e Desenvolvimento.



Autores: Adair Rocha; Ana Carla Fonseca Reis; Carlos Frederico Barros, Cristina Lins, Eliane Costa, Fabio Ferreira; Heliana Marinho; Ivan Lee; José Arnaldo Deutscher; Kátia de Marco; Leandro Valiati; Lia Calabre; Luiz Carlos Prestes; Marcos Mantoan; Paulo Miguez; Rita Pinheiro Machado; Sydney Sanches; Tânia Pires.

Editora: e-livre

O livro é uma coletânea de textos desenvolvidos por especialistas e pesquisadores de diversas universidades brasileiras, organizado pelas professoras Ana Carla Fonseca Reis e Kátia de Marco, realizado pela Associação Brasileira de Gestão Cultural, com patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.

A estrutura de conteúdo do livro está fundamentada em conceitos e conteúdos básicos da Economia e da Administração aplicados às diversas facetas de mercados potenciais junto aos setores culturais. São dez capítulos, divididos em duas partes: a primeira apresenta ideias conceituais e a segunda compreende a apresentação de uma experiência institucional afim À temática de cada capítulo.O livro tem o intuito de dinamizar o mote de desenvolvimento intrínseco à programas e projetos culturais, enquanto geradores de cadeias econômicas produtivas, propulsoras da ampliação da geração de emprego e renda, da qualidade de vida e da democratização de acessos ao consumo cultural, em camadas mais extensas das populações regionais.

Versão impressa: R$ 38,00 – Envio em até 10 dias úteis, mais prazo do frete
Contato para a venda: http://www.gestaocultural.org.br/contato.asp
http://www.editoraelivre.com.br

FAÇA SEU DOWNLOAD GRATUITO – Clique aqui


O Poder da Cultura - Leonardo Brant

Leonardo Brant lança sua obra no dia 14 de abril, às 19h, na Universidade Cândido Mendes, e discute o papel da cultura na sociedade em aula inaugural, gratuita e aberta ao público. O livro busca desvendar e oferecer um olhar mais cuidadoso sobre a importância da cultura em nossa sociedade, bem como a relação e o comprometimento de todos os cidadãos com a sua função pública e seu papel estratégico.

De maneira prática, ilustrativa e propositiva, questões que vão desde a definição de cultura, sua função pública, a relação direta entre cultura e desenvolvimento, com o mercado, os desafios da pós-modernidade para artistas e agentes culturais e as intervenções do poder público na dinâmica cultura de uma sociedade, entre outros, estão reunidos no livro de Leonardo Brant.

Para Brant, o reconhecimento e a valorização da cultura são fundamentais para o desenvolvimento dos povos em um sentido amplo: a cultura se junta aos temas sociais e ambientais para formar os pilares básicos para dar significado mais efetivo e abrangente a uma nova noção de desenvolvimento e sustentabilidade.

Um dos principais desafios do livro é auxiliar o debate público em torno da necessidade de se criar um novo modelo capaz de orientar uma relação de compromisso de todos com a importância estratégica da cultura. “Este livro consolida, de certa forma, minha experiência de dez anos de trabalho como consultor dedicado a potencializar e dinamizar empreendimentos culturais sustentáveis.”

Outras informações: http://opoderdacultura.com.br

Sobre o autor: Leonardo Brant é pesquisador de políticas culturais e presidente da Brant Associados, consultoria estratégica para empreendimentos socioculturais. Criou e edita Cultura e Mercado, o mais influente blog de políticas culturais do Brasil. É autor dos livros Mercado Cultural, Diversidade Cultural (org.) e Políticas Culturais vol.1 (org.). Conferencista internacional e coordenador de cursos de formação na área cultural, Leonardo é fundador do Instituto Pensarte (Brasil), do Divercult (Espanha) e do Cemec – Centro de Estudos de Mídia, Entretenimento e Cultura. É também diretor do webdocumentário Ctrl-V :: VideoControl, sobre a indústria e as políticas para o audiovisual.

SERVIÇO:
Sessão de autógrafos e palestra do livro ‘O poder da cultura’, de Leonardo Brant
Data: 14/04/10
Horário: 19h
Local: Universidade Cândido Mendes (Salão Marquês de Paraná)
Endereço: Rua da Assembléia, 10 – 42º andar / Centro
Informações: (21) 3543-6489 pecs@candidomendes.edu.br

Preço do livro: R$ 27,00
Editora Peirópolis

6 de abr de 2010

Chuva, poética chuva.

E depois da noite de ontem e do dia de hoje no Rio de Janeiro, vim aqui expressar os sentimentos sobre a chuva, através de uma poesia da minha amiga Mariana Galvão

CHUVA
Por Mariana Galvão



Gosto de sentir a chuva.

Encanta-me o seu pingar sutil
Que muito se assemelha
Ao entrelaçar de mãos.

Gosto de ouvir a chuva
De barulho leve
Pingo na telha
Ou de trovões
Arrepio na alma.

Gosto de prová-la
Gosto de sal
Meio saudade
Em parte, nostalgia.

Gosto de olhar a sua queda
Por vezes calma
Já outras, ansiosa pela chegada.
Mesmo sabendo
Que tal queda é,
De todo modo,
Ininterrupta.
Ela corre.

Na rua,
As pessoas se cobrem apressadas
Não querem que aquela coisa,
Gota molhada
Lhes toquem a pele
Seca, intocada.
A chuva tem algo de poesia
Em sua essência.
Não sei dizer se letrada
Ou imagética
Talvez, somente,
Sensível.

Sensibilidade refletida,
E tudo que nosso corpo insiste
no anti-sentir,
na chuva se faz impressão,
pressão
expressão.
Se faz pingo,
Raio,
Trovão.

..

Enquanto sobre ela escrevo,
Parece se recolher.
O céu- antes branco de nuvens
- naves de nervos-
Agora é azul,
Questão de segundos.
Para onde foste chuva de letras?
Foste apagada,
Ou não mais se deixaste ler?

Tudo impressão… a chuva voltou…
e voltou borrada… intensa…
assassina…
para onde foi sua poesia?
A chuva letrada virou vulto

meio seca
chuva - pasmada.

5 de abr de 2010

Música no Museu - Concertos de Outono

Em abril o projeto Música no Museu realizará 39 apresentações em espaços culturais das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, dando início à temporada "Concertos de Outono" que, inclusive, contará com a presença de atrações internacionais.

Confira a programação

Festival e Concerto - Além dos recitais e concertos mensais, o Música no Museu promove outras iniciativas, como o RioHarpFestival, que terá sua 5ª edição no mês de maio, e o Concurso Jovens Músicos, que recebe inscrições para a terceira edição até 24 de julho.

Informações: www.musicanomuseu.com.br e www.rioharpfestival.com.br

Editais com prazos para abril de 2010

Segue abaixo uma listagem de editais de patrocínio e fomento à cultura, cujos prazos encerram em abril:

- Edital Nossa Onda – 2010 - até 28/04


Objetiva apoiar a produção de até 52 (cinquenta e duas) obras radiofônicas inéditas sobre o tema “Diversidade Cultural”, com duração de 15 minutos, a serem difundidas, preferencialmente, para jovens de 17 (dezessete) a 29 (vinte e nove) anos integrantes ou egressos de projetos sociais do Programa Territórios da Cidadania ou do Programa Nacional de Inclusão de Jovens: Educação, Qualificação e Ação Comunitária (ProJovem).

Mais informações poderão ser obtidas prioritariamente pelo e-mail: nossaonda@cinemateca.org.br, fazendo constar no campo assunto a citação: EDITAL nº XX e o NOME DO PROJETO. Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2010/03/15/edital-nossa-onda-2010/

- Prêmio Pontinhos de Cultura – 2010 - até 22/04

O Edital concede até 300 (trezentos) prêmios no valor de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) cada, à entidades sem fins lucrativos, legalmente constituídas, e instituições governamentais estaduais, distritais e municipais que atuem na(s) área(s) sócio-cultural-artístico-educacionais referentes à Crianças e Adolescentes, ou que estejam envolvidos em parceria com escolas, universidades públicas ou demais instituições com o objetivo de promover uma política nacional de transmissão e preservação da Cultura da Infância e da adolescência, por meio de projetos e ações que assegurem seus direitos segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Confira aqui o edital n°3 e os anexos

Qualquer dúvida,entrar em contato com a Coordenação Geral de Cultura e Cidadania pelo endereço eletrônico cidadania@cultura.gov.br ou pelo telefone (61) 3901.3907.


- Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural, inscrições até 11/04, para viagens em maio.

A Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic/MinC) disponibilizou o edital do Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural 2010 para auxilio financeiro a viagens que ocorrerão nos próximos oito meses. A ação tem como objetivo promover a difusão e o intercâmbio da cultura brasileira nos diversos segmentos culturais.

Confira aqui o edital

- Edital Cultura Digital – 2010 - até 09/04

O Edital visa premiar, por meio da Secretaria de Cidadania Cultural (SCC) do Ministério da Cultura, 40 (quarenta) projetos que demonstrem um histórico de protagonismo em ações de Cultura Digital no contexto do Programa Cultura Viva, como fomento e consolidação de Esporos em Cultura Digital focados na pesquisa, registro, preservação e experimentação em práticas socioculturais, valorizando a diversidade cultural expressa nas diversas linguagens artísticas e tecnológicas, que sirvam de base para o desenvolvimento de projetos ligados a cultura digital.

A Ação Cultura Digital é uma ação transversal do Programa Cultura Viva, que visa compartilhar produções simbólicas e conhecimentos tecnológicos gerados pela ação autônoma, em rede, nos Pontos de Cultura e entre os Pontos e a Sociedade Civil. A proposta da Ação é interligar ações locais e promover a troca de experiências, conhecimentos e comunicação entre os Pontos de Cultura a partir do uso de tecnologias tradicionais e inovadoras de comunicação e informação, possibilitando a circulação da produção cultural dos Pontos de Cultura por meio da apropriação tecnológica e de ferramentas multimídias, com foco no uso de softwares livres.

Confira aqui o edital e os anexos


Mais informações: cidadania@cultura.gov.br ou pelo telefone (61) 3901.3907.

- Edital Cultura e Saúde – 2010 - até 09/04

O Edital selecionará 120 iniciativas culturais desenvolvidas por entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos, que atuem no campo sócio-cultural, tendo como objetos de suas atividades a promoção da saúde, a prevenção de doenças, a educação popular para o cuidado/auto-cuidado em saúde, tais como: associações, sindicatos, cooperativas, fundações privadas, instituições de ensino, associações de pais e mestres, unidades de saúde pública, organizações tituladas como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) e Organizações Sociais (OS), com atuação comprovada há pelo menos 2 (dois) anos.

Confira aqui o edital e os anexos


Mais Informações: Coordenação Geral de Cultura e Cidadania pelo endereço eletrônico cidadania@cultura.gov.br ou pelo telefone (61) 3901.3907.

- Fundo Setorial do Audiovisual – Prodav 01/2009, Inscrições prorrogadas até 09/04

Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual em projetos de produção de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão.

Mais informações: Serviço de Atendimento ao Cliente FINEP – SEAC – Tel.: (21) 2555-0555 | www.finep.gov.br

- Pró-Capoeira - até 08/04

O concurso tem por objeto a seleção de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP para a elaboração e execução de projeto técnico – estruturado na forma de um Programa de Trabalho – com vistas a apoiar a Fase I das atividades de formulação e implantação do Programa Nacional de Salvaguarda e Incentivo à Capoeira (Pró-Capoeira).

Confira aqui o edital

Mais informações: Telefone: (0xx61) 20246243 / Fax: (0xx61) 20246227


2 de abr de 2010

Estação Stand-up

Elenco: Daniel Belmonte, Rafael Studart
Convidados fixos dessa temporada: Murilo Couto e Nigel Goodman

Sinopse: Os humoristas exploram o gênero da comédia stand-up relatando situações do cotidiano a partir de visões pecualiares e divertidas na 3ª temporada do Estação Stand-up. As apresentações contam com a presença dos convidados, além de um espaço chamado Open Mic ("microfone aberto"), no qual iniciantes na comédia poderão testar seus textos e um momento intitulado "Mesa de bar", que se trata de uma improvisação feita pelos dois comediantes e os convidados, a partir de um tema sugerido pela platéia.

Todas às 5ªs de abril, às 21h30, no Teatro Maria Clara Machado (Planetário da Gávea)
R$ 20,00 inteira | R$ 10,00 meia

Minha opinião: Divertidíssimo! Nada como terminar a semana de trabalho e começar o feriado de Páscoa rindo com a família e os amigos.

Nessa quinta-feira, 01/04, levei meu irmão, minha mãe, e encontrei os amigos (e agregados) de procult no Teatro Maria Clara Machado, para a estréia da nova temporada da peça Estação Stand-up, com Daniel Belmonte, Rafael Studart e convidados. Muita diversão, sem figurino ou cenário, apenas fazendo graça e piada com fatos do dia-a-dia foi o que marcou a noite. Daniel Belmonte conseguiu provar que para ser humorista de improvisação, idade não é documento: ele tem apenas 16 anos!

Resultado: depois de muita resistência e rejeições aos meus convites, finalmente consegui levar meu irmão (de 13 anos) ao teatro, que simplesmente A-D-O-R-O-U o programa e perguntou: "Quando a gente volta? Tem outras peças desse tipo para a gente ir?" Como produtora cultural e irmã zelosa, fiquei muito feliz com a atitude dele. Finalmente largou o videogame para descobrir outras ocupações para o seu tempo livre. A próxima parada será a peça ZÉ - Zenas Emprovisadas, no Vivo Rio.

Não percam!
Pague meia com a filipeta:




OBS: Maiores de 12 anos até 14 anos podem assistir acompanhados de um responsável.

O que é Produção Cultural?

Escolhi meu primeiro post para responder a grande questão que circula pelos que me cercam: afinal, o que é produção cultural?

De forma prática, o produtor cultural é aquele que faz a intermediação entre arte e cultura com o mercado. Este profissional, a partir de uma instrumentalização teórico-prática e de uma capacitação crítica, passa a ter como atividades o planejamento e a gestão cultural, estabelecendo metas e estratégias para o fomento e a promoção da cultura. Criar, planejar, organizar e divulgar projetos e produtos artístico-culturais, lidando com todas as etapas implicadas nesse processo. É possível agrupar esses projetos e produtos em sete grupos:

- Evento cultural: Produção de espetáculos, exposições, festivais, mostras, apresentações, etc.;

- Produto Cultural: Produtos audiovisuais, obras literárias, CDs, etc;

- Ação Cultural: A ação cultural é um projeto de longa duração, normalmente voltado para atingir uma comunidade específica, com o fomento a atividades e práticas culturais, como oficinas, cursos, apresentações, entre outras. São os chamados projetos sócio-culturais, projetos de arte-educação, etc. Os grandes exemplos desse tipo de projeto são as ONGs e Pontos de Cultura.;

- Plano de marketing cultural: São os projetos voltados para as grandes empresas gestoras e patrocinadoras da cultura que, por sua vez, vão delinear suas políticas de investimento e patrocínio, sempre dentro dos preceitos e valores estabelecidos pelo marketing da empresa;

- Espaço Cultural: São os que criam e/ou projetam a gestão de um espaço cultural, pensando em sua linha de atuação, programação, a administração etc. Esses espaços podem ser qualquer tipo de instituição pública ou privadas, tais como centros culturais, galerias de arte, museus, bibliotecas, teatros, cinemas;

- Política Cultural: São os projetos voltados para estudar e determinar as políticas culturais de uma localidade. Esse trabalho normalmente é realizado pelas secretarias municipais e estaduais de cultura e pelo Ministério da Cultura;

Essas são as principais linhas de ação de um produtor cultural, mas o campo de trabalho não se fecha apenas nisso. Há ainda quem trabalhe com jornalismo cultural, televisão e rádio, educação, pesquisas acadêmicas, pesquisas de campo, preservação do patrimônio histórico, agenciamento de artistas, turismo cultural, curadoria, etc.


SOBRE O CURSO DE BACHARELADO EM PRODUÇÃO CULTURAL

O curso dá ao aluno a capacidade de desenvolver projetos de valorização da diversidade sociocultural. Para isso, o currículo combina temas que abordam os fundamentos da arte e as teorias da cultura com matérias sobre planejamento e organização de projetos artístico-culturais. Além de filosofia, sociologia e psicologia, você tem orientação sobre legislação, marketing e redação de projetos culturais.